Histórico

Em funcionamento desde 1994 a Escola de Música da Rocinha já atingiu resultados significativos em cada uma de suas linhas de ação.  Já funcionou nas dependências de duas igrejas e na quadra da Escola de Samba Acadêmicos da Rocinha, tendo se transferido em 2004 para o Centro de Cidadania Rinaldo De Lamare, o que significou um grande passo para a ampliação e aprimoramento de suas ações, podendo atender também a jovens do Vidigal e de Vila Canoas. A qualidade do espaço e a infra-estrutura disponível ainda permitem a ampliação das atividades oferecidas.

Segundo depoimentos de diretores e professores das escolas que atendem aos moradores da Rocinha, o rendimento escolar dos alunos matriculados na Escola de Música da Rocinha é muito bom e tende a melhorar conforme o envolvimento com a linguagem musical é aprofundado. Essa informação é endossada pelos familiares dos alunos que atestam serem claramente perceptíveis as modificações de atitude e comportamento dos alunos frente aos problemas escolares; e percebem o aumento no grau de envolvimento com a relação ensino-aprendizagem e um aumento do desejo de sucesso.

Nas linhas de Prática de Conjunto e Apoio à Formação para o Trabalho na Área da Música os resultados podem ser melhor observados. A primeira experiência na área de Prática de Conjunto ocorreu no quarto ano de funcionamento da Escola, em 1998, quando foi criado o Conjunto de Flautas Doce, que realizava apresentações públicas. Realizava repertório variado, incluindo música erudita, popular e folclórica, acompanhado por outros instrumentos que compunham o conjunto, como violão, percussão, teclado e acordeon. Em 2001 foi formada a Banda Seis Que Sabem, posteriormente renomeada de BanDaCapo, e em 2004 o grupo Chorando à Toa, que tornaram-se os primeiros grupos profissionais da Escola de Música da Rocinha. Em 2005 foi criada a Orquestra de Cordas Dedilhadas reunindo alunos dos cursos de Violão e Cavaquinho e em 2007 a Orquestra de Sopro e Cordas Dedilhadas (OSCD), uma fusão das duas formações citadas anteriormente.

A área de canto coral, que já pressupõe o trabalho em conjunto, está em funcionamento na Escola desde 1995, quando foi criada a primeira formação (Coro Infantil) com crianças então matriculadas nos cursos de Violão e Flauta Doce. Posteriormente, também foram criados o Coro Juvenil (1997), formado por alunos com idade acima de 14 anos, e um Coro de Adultos (2005), formado por ex-alunos e familiares de alunos.

Além das atividades de rotina e das diversas apresentações públicas, os coros participaram de importantes produções, tais como: participação em dois concertos e gravação de duas músicas no CD da Orquestra Filarmônica do Rio de Janeiro (Coro Juvenil – 1998); gravação de uma música no CD “Eu e Meu Guarda-Chuva” do músico Branco Melo (Coro Infantil – 2001); gravação do CD “PAZ – Coro da Escola de Música da Rocinha” (Coro Infanto-Juvenil – 2001) produzido e lançado pela Sony Music; gravação de uma música no CD “Malabaristas do Sinal Vermelho”, do cantor e compositor João Bosco (Coro Juvenil – 2002); gravação de uma música no DVD “Luiz Melodia Convida” (Coro Infantil – 2002); participação no show de aniversário da Rádio JB FM no ATL Hall (Coro Juvenil – 2002); gravação de duas músicas no CD da cantora Joanna “Joanna em Oração” (Coro Infanto-Juvenil – 2002); e gravação de uma música no CD da cantora Vanessa da Matta (Coro Infantil – 2004).

Em 2007, dois importantes projetos especiais foram realizados na linha de Prática de Conjunto. O primeiro foi a Orquestra de Sopro e Cordas Dedilhadas, criada com recursos do Criança Esperança (UNESCO/Rede Globo), envolvendo 34 alunos com idade entre 14 e 24 anos durante 10 meses de ensaios, para a realização de 10 concertos didáticos em escolas públicas e projetos sociais. Esta Orquestra foi formada por alunos em nível avançado nos cursos de Violão, Cavaquinho, Flauta Doce e Percussão e que receberam bolsa de estudos durante 11 meses. O segundo projeto, Coro Infanto-Juvenil da Escola de Música da Rocinha – Concertos Didáticos foi realizado com patrocínio do Programa Petrobras Cultural, envolvendo aproximadamente 70 crianças e jovens integrantes do Coro Infanto-Juvenil e do Conjunto de Flautas Doce, que tiveram 10 meses de ensaios e realizaram 10 concertos didáticos em locais com carência de atividades culturais, para públicos formados principalmente por alunos de escolas públicas, apresentando repertório temático relacionado à cultura popular nordestina.

Em 2008, o projeto Orquestra de Sopro e Cordas Dedilhadas foi repetido e ampliado, com a inclusão do violão de 7 cordas, clarinetes e flautas transversas. O repertório foi ampliado e foram realizados mais dez concertos didáticos. Em 2009, a partir dos resultados de alguns alunos nos cursos de saxofone, trompete, clarinete e flauta foi criado um conjunto de jazz – no estilo Big Band –, a mais recente experiência na linha de Prática de Conjunto.

A linha de Apoio à Formação para o Trabalho na Área da Música alcançou resultados significativos no ano de 2007 – 9 alunos obtiveram a carteira da Ordem dos Músicos do Brasil, que os habilita definitivamente ao exercício da profissão de músico; e 1 aluna ingressou no curso de Licenciatura em Música na Universidade do Rio de Janeiro – Unirio, sendo a primeira beneficiária do projeto a entrar num curso universitário na área de música. Desde então, outros seis alunos ingressaram no curso de Licenciatura em Música, sendo quatro na Unirio e dois no Conservatório Brasileiro de Música.

A primeira experiência em oferecer vagas de monitoria aconteceu em 2001 e, desde então, cerca de 25 jovens já exerceram o papel de monitor, estando a maioria ainda atuando na Escola de Música da Rocinha e/ou em projetos parceiros. A grande maioria aumentou o investimento pessoal em sua formação, passou a ter renda regular e vislumbra ingressar em cursos de graduação na área de música. Alguns atuam também dando aulas particulares, principalmente de violão, cavaquinho e percussão.

Dois grupos musicais formados na EMR obtiveram êxito atuando profissionalmente em espaços culturais, casas de shows e eventos – a BanDaCapo e o Chorando à Toa.  A BanDaCapo surgiu em 2001, com o nome de Banda Seis que Sabem, passando ao nome atual em 2003 quando percebemos que havia um grupo homônimo já em atividade no Rio de Janeiro. Antes da mudança de nome o grupo gravou o CD Pop do Brasil que foi licenciado e comercializado na Alemanha, onde realizou turnê em 2003. Em 2005 gravou o CD BanDaCapo Canta João Bosco, com músicas do compositor e com sua participação como intérprete em uma das faixas, Em 2007 o grupo se desfez.

O grupo Chorando à Toa foi formado em março de 2004, desenvolve repertório de choro e samba, e vem ampliando significativamente sua atuação no circuito de shows ao longo dos anos. Em setembro de 2009 realizou turnê de 28 apresentações por cidades da Alemanha e em novembro do mesmo ano lançou seu primeiro CD, Descontraído, com repertório de choros instrumentais inéditos.

Os grupos musicais das linhas de Prática de Conjunto e Apoio à Formação para o Trabalho na Área da Música têm realizado em média 60 apresentações públicas por ano em escolas, projetos sociais e em diversos outros espaços culturais na cidade do Rio de Janeiro e eventualmente em cidades vizinhas.

Em relação ao reconhecimento institucional alcançado, a Escola de Música da Rocinha tem a chancela da UNESCO, é registrada no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) e acaba de receber menção honrosa do Prêmio Cultura Nota 10, concedido pelo Instituto Cultural Cidade Viva e pela Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro. É um dos projetos fundadores da Rede Social da Música, associação para a troca de informações e boas práticas entre instituições que utilizam a música como ferramenta de inclusão e transformação social.

  • email: em.rocinha@gmail.com
    (21) 3322-6358

    Av. Niemeyer, 776/17º, São Conrado
    Rio de Janeiro,Brasil,CEP 22450-221