A Proposta Pedagógica

Trusted tutorial crafting assistance is continually all set to assist college students with regards to their get the job done. Buy essay authored by skilled and expert essay freelance writers .

A Proposta Pedagógica

Está previsto o atendimento a 100 alunos divididos nos cursos de instrumentos de acordo com a relação a seguir: violino, 30 alunos; viola, 15; violoncelo, 8; contrabaixo, 4; flauta, 10; clarinete, 10; trompete, 10; trombone, 8; e trompa, 5. O curso de teoria e percepção e a prática de orquestra são oferecidos aos alunos de nível médio e avançado e o de prática de conjunto aos de nível iniciante.

Nos cursos de instrumentos as turmas são organizadas por níveis de rendimento na aprendizagem, respeitando o número máximo de alunos por grupo de acordo com cada caso, como descrito a seguir: violino e viola, 10 alunos por grupo; violoncelo, 4; contrabaixo, 3; flauta, 4; clarinete, 4; trompete, 4; trombone, 4; e trompa, 3.

O curso de teoria e percepção é oferecido para turmas de até 20 alunos, e a prática de conjunto para dois grupos formados por alunos iniciantes, sendo um reunindo os matriculados nos cursos da área de cordas e outro reunindo os da área de sopro. Com relação à carga horária, em todos os casos são previstas duas horas semanais de aula para cada grupo, podendo haver, a critério do professor, a expansão eventual desta carga a partir da junção de grupos para atividades especiais incluídas em seu planejamento.

A prática de orquestra prevê 3 horas semanais de ensaios regulares, podendo haver ensaios extras, inclusive de naipes, de acordo com a orientação do regente, em períodos de preparação de apresentações públicas. Nos cursos de teoria e percepção, prática de conjunto e prática de orquestra o número de vagas varia de acordo com o contingente de alunos posicionados nos diversos níveis de aprendizagem: iniciante, médio e avançado.

Atividades

(cursos)

Número de vagas oferecidas Carga horária semanal Número máximo de alunos por turma Observações
Violino 30 2h/a 10  
Viola 15 2h/a 10  
Violoncelo 8 2h/a 4  
Contrabaixo 4 2h/a 3  
Flauta 10 2h/a 4  
Clarinete 10 2h/a 4  
Trompete 10 2h/a 4  
Trombone 8 2h/a 4  
Trompa 5 2h/a 3  
Teoria e percepção 40 2h/a 20 Número de vagas variável
Prática de conjunto 60 2h/a 30 Número de vagas variável
Prática de orquestra 40 3h/a 40 Número de vagas variável

 

  • Metodologia e conteúdos programáticos

Os conteúdos programáticos tratam de aspectos técnicos e teóricos relacionados aos instrumentos, aqui apresentados de forma generalizada a partir das classificações sopro e cordas.

Instrumentos de sopro: a história do instrumento, cuidados para sua conservação, digitação, embocadura, posicionamento das mãos, respiração, emissão sonora, fraseado, fisiologia, técnicas específicas, clave e especificidades da escrita.

Instrumentos de cordas: a história do instrumento, cuidados para sua conservação, tipos de arcadas, digitação, pizzicato, fraseado, técnicas específicas, clave e especificidades da escrita.

O uso da escrita musical convencional (partitura) ocorre desde o início do processo de aprendizagem, sendo apresentada de forma gradativa de acordo com o desenvolvimento de cada grupo, e sempre vinculada à prática instrumental. O uso da memória auditiva (o tocar por imitação) também é um recurso utilizado com vistas à formação de repertório e ao desenvolvimento técnico no instrumento, especialmente com os alunos que apresentam dificuldades com a leitura de partitura.

As aulas de teoria e percepção são ministradas aos alunos de nível médio e de nível avançado que integram a orquestra, por estarem estes em condição propícia ao aprofundamento nos estudos teóricos e no treinamento auditivo. A percepção e a alfabetização musical são abordadas a partir: da percepção dos parâmetros sonoros, do desenvolvimento da memória auditiva, do domínio do código para leitura/escrita, das noções de estruturação musical (melódica, rítmica e harmônica), da entonação com controle da afinação e da leitura rítmica.

Com relação ao repertório, são utilizadas nas fases iniciais obras de fácil execução. A partir do desenvolvimento das turmas o grau de dificuldade das peças se eleva, mas sempre considerando a capacidade de realização do grupo para que funcione de forma estimulante e para que promova o seu desenvolvimento técnico. A escolha do repertório é sempre baseada no equilíbrio entre o desafio e a real capacidade de realização.

Nas fases iniciais são utilizados arranjos didáticos compostos especialmente para os alunos. A produção de repertório para apresentações públicas do grupo principal utiliza peças escritas originalmente para orquestra e para formações de câmara, e outras livremente adaptadas, inclusive recolhidas no âmbito da música popular.

  • Atividades complementares

Como atividades complementares são organizados eventos que promovem a ampliação da experiência musical dos alunos e familiares, tanto na sede da escola, onde são organizados concertos didáticos realizados por artistas contratados, quanto em espaços culturais da cidade do Rio de Janeiro, onde o grupo assiste a espetáculos musicais usufruindo de ingressos cedidos por parceiros. Tais eventos ocorrem num contexto didático que inclui orientações prévias abordando o conteúdo artístico e histórico em questão, e que promove desdobramentos a partir da análise comentada do que foi assistido pelo coletivo.

  • Avaliação

O rendimento de aprendizagem é avaliado pelos professores a partir do acompanhamento permanente da produção do aluno, considerando também seu envolvimento com as práticas de conjunto e orquestra, nestes casos conjugando a análise do regente. Não é praticada a aplicação de provas.

Por indicação dos professores será admitida a qualquer momento, podendo até mesmo ser incentivada, a troca de turma visando à mudança de nível para melhor adequação do aluno ao processo, independentemente do fechamento de ciclos semestrais, anuais ou outro. Mesmo em casos de baixo rendimento a permanência do aluno estará sempre assegurada.

  • A equipe

Coordenador Geral                                         Gilberto Figueiredo

Produtor Cultural                                           Alexandre Barreto

Assistente Social                                            Sandra Helena

Assistente de Produção                                   Simone Ferreira

Assistente de Comunicação                              Landa Araújo

Assistente de Secretaria                                 Márcia Machado

Coordenador Pedagógico e Regente                  Rodrigo Belchior

Professor – Violino e Viola                                Vanessa Rodrigues

Professor – Violoncelo                                     Fábio Almeida

Professor – Contrabaixo                                   Arthur Moreno

Professor – Flauta                                           Antônio Jocielton

Professor – Clarinete                                       Luís Henrique

Professor – Trompete                                      Thiago Pires

Professor – Trombone                                      Phelipe Domingues

Professor – Trompa                                         Christine Cardozo

Professor – Prática de Conjunto                        Igor Siqueira

Professor – Teoria e Percepção                         Alexandre Luís

  • email: em.rocinha@gmail.com
    (21) 3322-6358

    Av. Niemeyer, 776/17º, São Conrado
    Rio de Janeiro,Brasil,CEP 22450-221